Ignorância

Edison_Ignor_ncia_thumb_1_Segundo Aurélio, pode ser considerada uma falta de conhecimento, sabedoria e instrução sobre determinado tema, ou mesmo crença em falsidades, e em contrapartida, o ignorante estabelece critérios que desclassifiquem o conselho alheio, em prol da sua falta de conhecimento, busca estabelecer ideias falsas sobre si mesmo e o mundo que o cerca de forma errônea, que desagrade aqueles que o cercam.

Considero a ignorância, a “amiga inseparável” do preconceito, pois normalmente “andam de mãos dadas” o tempo todo!

Ontem li o artigo “Falando do que não sabe”, de Renato Cardoso, da Folha Universal (http://www.universal.org/noticia/2014/10/05/falando-do-que-nao-sabe-31074.html) e achei muito esclarecedor, pois apesar de ser um trabalhador de um Centro Espírita e Kardecista, não me prendo a dogmas e doutrinas, e me considero espiritualista, respeitando todas as religiões e seus seguidores.

Cito alguns trechos abaixo:

“A maior ignorância é criticar algo que você não sabe nada a respeito. O mundo está cheio de ignorantes disfarçados de sábios. Críticos de plantão, de narizes empinados em seus pódios de ignorância, prontos para apontar o dedo e argumentar seu ponto de vista. Esquecem que um ponto de vista não é nada mais do que isso.

Infelizmente, o Homo sapiens não é tão sapiens assim. Ele sofre de uma doença cujo sintoma principal é a crítica gratuita sobre o que não sabe. Algumas causas dessa doença:

Desconfiança: se é bom demais para ser verdade, provavelmente é mentira. Pode chamar de falso.

Inveja: se eu não posso ter o que você tem, posso criticá-lo pelo que tem.

Medo: seu sucesso me assusta e ameaça minha sobrevivência; preciso demonizar seu sucesso para garantir o meu.

Chamar atenção: sei que estou falando bobagem, mas o que importa é que serei famoso por 15 minutos.

Ignorância: mistura de burrice com preguiça de investigar a verdade.

Complexo de Piolho: vou pela cabeça dos outros. Afinal, se “fulano” falou isso, deve ser verdade.

Desconfiança, inveja, medo, carência de atenção, ignorância e não pensar por si próprio. Características humanas que todos nós temos. Por isso, somos todos culpados de um dia termos falado do que não sabíamos.

Mas agora que sabemos disso não temos mais desculpas. Podemos ser melhores falantes e principalmente ouvintes. Nunca mais presumir que falar é sinônimo de saber.

Sócrates disse há 2.400 anos:

“A única e verdadeira sabedoria é saber que você não sabe nada. E saber que você não sabe nada o faz o mais sábio de todos.”

Com certeza, alguém que sabia do que estava falando.”

Sobre Marcio Higa

Pós-graduado em Telecomunicações, Bacharel em Ciência da Computação e Técnico em Mecânica. Está terapeuta há 15 anos, com formação em Reflexologia(Podal e Auricular) pelo IOR, Crochetagem(Técnica de Fisioterapia Manual) e Manobras Articulares(Quiropraxia e Osteopatia) pela ABCroch, e Psicoterapia Reencarnacionista, na qual é Ministrante, Palestrante e Coordenador Nacional dos Grupos de IINP(Investigação do Inconsciente Não Pessoal) da ABPR, e do Núcleo ABPR São Paulo-SP. É fundador e proprietário do Instituto Sofia Higa, em São Paulo-SP, na Vila Prudente.
Esse post foi publicado em Consciência e Poder. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s